Grandes esperanças para a AfCFTA

A Zona de Comércio Livre Continental Africana (AfCFTA), criada em 2018 para criar um mercado único de bens e serviços, foi criada para promover e expandir as actividades económicas, facilitando o comércio através da livre circulação de pessoas.

Em Março, a TEF recebeu o Secretário-Geral da Zona de Comércio Livre Continental Africana (AFCTA), Wamkele Mene, para identificar novas oportunidades apresentadas pela recém-iniciada AfCFTA para fortalecermos, dimensionarmos e apoiarmos conjuntamente pequenas e médias empresas em todos os 54 países. Países africanos.

As PME contribuem com mais de 70% do PIB de África e criam mais de 400 milhões de empregos no continente! Simplificando, as economias são impulsionadas pelas PME. É por isso que na #TEF estamos a capacitar a próxima geração de empreendedores africanos através do nosso Programa de Empreendedorismo TEF US$100m.

Se forem adequadamente capacitados, os nossos jovens empresários e as suas PME ajudarão a resolver a limitada capacidade industrial e de produção do nosso continente, apoiarão a diversificação das nossas economias e melhorarão o comércio e os laços intra-africanos através de uma maior competitividade regional.

Elogiamos o #AfCTA por defender a livre circulação de bens, serviços, pessoas e pagamentos para garantir que África tenha economias mais prósperas. Simultaneamente, cria o espaço político, o apoio e a estrutura para o desenvolvimento industrial. Esperamos criar novas oportunidades para as PME africanas e promover os interesses africanos no país e no estrangeiro!

Coletivamente, devemos aproveitar o #AfCTA como uma ferramenta para o desenvolvimento económico e um motor industrial. Com apoio financeiro, financiamento comercial e a eliminação de restrições, aumentaremos a capacidade industrial do nosso continente, aprofundaremos a nossa capacidade de produção, inovaremos os nossos modelos económicos existentes, diversificaremos as nossas economias e rendimentos nacionais e investiremos nas deficiências generalizadas de transportes e infra-estruturas.

No entanto, novos desafios surgiram devido às perturbações causadas pela pandemia da COVID-19. A maioria dos países africanos enfrenta restrições de viagens e depreciação de moedas e remessas, atrasando inevitavelmente a integração económica e a implementação do acordo.

Em um novo relatório intitulado: “COVID-19 e o Acordo da Zona de Comércio Livre Continental Africana” publicado pelo parceiro de investigação da TEF, PriceWaterCoopers, em Fevereiro, as nações africanas e as partes interessadas relevantes poderão transformar o acordo numa oportunidade para uma colaboração mais forte se certas políticas forem implementadas rapidamente.

A ênfase está na procura de formas de converter os efeitos da pandemia em oportunidades para uma integração económica e política mais forte, e permitir que infra-estruturas como electricidade, estradas e serviços de Internet acessíveis possam acelerar um continente que é autossuficiente. Contudo, os governos africanos não são os únicos a serem chamados a fazer mais.

O antigo CEO da Fundação Tony Elumelu, Parminder Vir, escreveu no início do mês sobre a necessidade de as PME africanas se organizarem e se educarem sobre a AfCFTA, e de serem participantes e não espectadores nesta nova iniciativa africana.

“Os empresários africanos devem sensibilizar e iniciar campanhas sobre como podem beneficiar do acordo e quais as medidas e políticas necessárias para garantir que tenham um lugar no acordo. As PME devem também proporcionar a sua própria liderança, uma vez que não podem dar-se ao luxo de esperar que outros as liderem. Com os seus líderes escolhidos e com uma voz comum, podem então começar a envolver-se com a UA, os governos africanos e os organismos comerciais, responsabilizando-os pela implementação e regulamentação da AfCFTA para garantir que funciona como pretendido para todos os africanos.”

A AfCFTA tem potencial para aumentar o comércio intra-africano por mais de 50%, de acordo com a Comissão Económica das Nações Unidas para África, e não há dúvida de que as PME africanas beneficiarão de um maior acesso a novos mercados.

Obrigado pelo vosso feedback!

Juntar-se à nossa lista

Subscreva a nossa lista de distribuição e receba material interessante e actualizações na sua caixa de correio eletrónico.

Obrigado por subscrever.

Alguma coisa correu mal.

JUNTE-SE AO CÍRCULO TEF

Mantenha-se atualizado sobre os nossos empresários, eventos, investigação e muito mais.

GIVE US FEEDBACK
link próximo

GIVE US FEEDBACK
link próximo

LEARN ABOUT THE TEF IMPACT
link próximo

ACTUALIZAÇÃO DA POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Efectuámos alterações à nossa Política de Privacidade para proteger melhor os seus dados pessoais! Reveja e compreenda a nossa política actualizada Política de privacidade

Concordo com a Política de Privacidade actualizada. Compreendo que a utilização dos meus dados pessoais pela Fundação Tony Elumelu será feita de acordo com a Política de Privacidade actualizada.

Enviar isto a um amigo