“Ninguém está mais disposto a sair da pobreza do que as pessoas que estão na pobreza,” – Edwin Ikhuoria, Diretor da ONE Africa

Nesta entrevista, a Fundação Tony Elumelu senta-se com Edwin Ikhuoria, o Diretor Executivo para África da campanha ONE, que lidera o trabalho de defesa de direitos da ONE em todo o continente. Edwin passou mais de 19 anos no setor de desenvolvimento e, antes de ingressar na ONE em 2014, trabalhou para a Unidade de Avaliação de Impacto no Desenvolvimento do Banco Mundial. O seu trabalho de advocacia abrange políticas a favor dos pobres e transparência nas finanças públicas, saúde, agricultura, segurança alimentar, ambiente e comércio, envolvendo regularmente decisores políticos e grupos da sociedade civil africana nos últimos 15 anos.

Obrigado por se juntar a nós, Edwin. Você teve uma jornada de carreira muito interessante. Você pode nos contar um pouco da história de sua carreira? como?

Entrei no setor de desenvolvimento trabalhando com a Associação Nacional de Comerciantes Nigerianos como oficial de comunicação e defesa e depois passei a liderar o trabalho de comunicação e defesa da NANTS. Em 2009, juntei-me a um projecto da USAID para gerir reformas comerciais e aduaneiras na Nigéria, depois passei para o Banco Mundial como Investigador Avaliador de Impacto em 2012, na unidade de avaliação de impacto do Banco Mundial chamada DIME. Então, eu estava no Banco Mundial quando a Fundação Tony Elumelu (TEF) financiou uma posição para a Campanha ONE ser o líder/representação nacional da Nigéria para a Campanha ONE e foi então que me candidatei e por acaso fui o candidato sortudo que conseguiu essa posição.

 Foi através desse apoio em 2014 que me juntei à campanha ONE e liderei a parte nigeriana desse trabalho. Estava fortemente centrado no sector agrícola porque defendíamos mais investimento no sector agrícola. Trabalhámos com pessoas como D'banj, que liderou outros 19 artistas africanos na composição da canção para a campanha.

Com esse investimento, a Nigéria mobilizou cerca de N2,1 milhões de apoiantes inscritos para essa campanha, que foi quase a maior campanha a acontecer de uma só vez naquela altura.

Embora não tenhamos obtido a alocação de dez por cento que procurávamos na alocação do governo federal para a agricultura, o que obtivemos, em primeiro lugar, foi um aumento de investimentos em termos de alocação do sector público para a agricultura. Isto levou ao lançamento de um programa Agropreneur por Akinwunmi Adesina, que na altura era Ministro da Agricultura.

Após a doação de um ano da fundação, liderei o programa durante três anos na ONE na Nigéria e depois passei para a transparência e a responsabilização da Campanha ONE a nível regional.

Como a sua experiência na ONE moldou a sua motivação em torno da política e do desenvolvimento sustentável?

2018 foi o ano da vitória na luta contra a corrupção a nível africano. Liderei o trabalho da ONE nesse sentido até 2019, quando voltei para a equipa de África como consultor sénior de Política e Advocacia. Em 2020, assumi a função de Diretor Executivo. A jornada tem sido bastante interessante em termos de advocacia e de fazer com que as questões que afectam as pessoas mais pobres cheguem ao topo da agenda política.

A política de elaboração de políticas em todo o continente tem sido bastante intensa. Neste momento, estamos a tentar mobilizar a atenção para a agenda de criação de emprego. A simples razão pela qual isso é importante para nós é que, embora o desemprego já fosse um grande problema antes, neste momento, temos visto um número recorde de pessoas perdendo os seus empregos no continente e acreditamos que, se houver algum momento em que devamos prestar atenção à criação de emprego, esse é o momento.

Dado o impacto que a Fundação teve em termos de mobilização de empresários em todo o continente, este é o momento de realmente começar a ouvir as vozes dos próprios empresários em termos de barreiras estruturais que os impedem de criar o tipo de empregos que deveriam criar. ou fazer negócios no nível que deveriam fazer, mesmo com o apoio que receberam.

A minha jornada para a campanha ONE surgiu como resultado do apoio da Fundação Tony Elumelu a África e isso permitiu-me avançar ainda mais nessa trajetória até onde estou hoje, sendo o Diretor Executivo do ONE em África.

Isso é impressionante. Qual tem sido o princípio orientador da sua carreira até agora?

Para mim é: aproveite ao máximo a oportunidade que você tem agora. Acho que para mim é o maior porque não se deve pensar que uma oportunidade é muito pequena. Quando você faz o máximo com isso, outras portas começam a se abrir.

Não descarte nenhuma experiência porque você não sabe quando ela aparecerá para você ou o ajudará a quebrar o teto de vidro. Você pode aprender de várias maneiras – seja no nível gerencial ou no campo, onde você interage diretamente com as pessoas, você apenas adquire certas habilidades pela maneira como interage com as pessoas. Você amplia sua base de conhecimento de acordo com o tipo de assuntos com os quais está envolvido. É um princípio aproveitar ao máximo qualquer oportunidade que tenho e isso realmente ajudou a avançar na minha carreira.

Algum conselho para os empresários africanos que iniciam novos negócios durante a pandemia?

Inove, diferencie-se ou morra. Período.

Temos que colocar isso em uma camiseta….

Se você não inovar e não se diferenciar, você simplesmente sairá do mercado porque tem muita gente que está fazendo ou tentando fazer exatamente o que você está fazendo.

Se você não inova, se destaca ou diferencia seu produto/serviço, você se torna irrelevante e essa é uma lição que a Covid ensinou a todos. Os inovadores aproveitaram ao máximo a pandemia, enquanto aqueles presos aos métodos tradicionais morreram.

Então, se há uma lição, seria: “inove, diferencie ou morra”.

Como acha que as Agências de Desenvolvimento podem alargar a sua compreensão do Impacto em África?

Isso está certo, no entanto, se eu souber como, tenho certeza de que eles já estariam fazendo isso agora, então não tenho a solução de como eles começariam a pensar sobre isso. Mas eles deveriam começar a pensar sobre isso? Definitivamente sim. Na verdade, a razão pela qual assumimos a criação de empregos como uma agenda, sabendo muito bem que a criação de empregos nem sequer está nas mãos do governo, mas sim no sector privado – é permitir e criar o espaço para que isso aconteça particularmente dentro do ecossistema de acesso, infraestrutura, oportunidade, etc.

O que temos visto ao longo dos anos é que a ajuda ao desenvolvimento catalisou algum impacto que não podemos ignorar, ou seja, a erradicação da poliomielite no continente. O dinheiro do sector privado não poderia ter feito isso, e o dinheiro do sector público perderia força num espaço de tempo muito curto. Mas o dinheiro dos doadores garantiu que chegasse, fosse sustentado e continuasse até terminar.

Também na prestação de serviços, certas comunidades podem não ter conseguido ver um poço se não fosse pela assistência ao desenvolvimento, porque para o sector privado não é comercializável colocar o seu dinheiro e não é viável. A assistência ao desenvolvimento teve o seu impacto a esse respeito, mas é muito simbólica e micro, razão pela qual devemos começar a pensar em investimentos orientados para o mercado. Investimentos porque só assim podemos garantir retornos, não como caridade, mas como investimentos nas pessoas em termos de capacidade humana e depois investimento em sistemas para que possam catalisar o crescimento e a inovação que é inerente às pessoas.

Existem dois papéis complementares no desenvolvimento: o elemento de caridade deve ser estrategicamente orientado para a mudança de sistemas que permitirão que os investimentos do sector privado, os inovadores e os empresários prosperem. Qualquer tipo de investimento que não conduza a essas mudanças sistémicas será apenas simbólico, de curto prazo e fracassará.

O meu maior conselho é olhar para a questão deste ponto de vista: ninguém está mais disposto a sair da pobreza do que as pessoas que estão na pobreza. Se estamos a tentar acabar com a pobreza extrema, como alguém que está na pobreza, estou mais ansioso por sair daqui do que qualquer pessoa de fora, e a única coisa que podem fazer é permitir-me fazê-lo, e não dando-me peixe. e comida para comer – isso tem o seu lugar – mas comendo um sistema que me permita sair da pobreza e é aí que os investimentos são necessários. Como você me capacita para sair da pobreza? Isso só pode acontecer quando você cria oportunidades.

As agências de desenvolvimento deveriam perguntar-se: Quais são as mudanças sistémicas que permitirão às pessoas criar oportunidades para si próprias? Quais são os investimentos necessários para dar às pessoas o acesso de que necessitam? Quais são as questões de governação que precisam de ser respondidas para capacitar as pessoas para saírem da pobreza?

Embora não possamos descartar a caridade, é hora de mudarmos para o lugar das mudanças sistémicas e da criação de oportunidades, em vez de apenas darmos peixe às pessoas para comerem.

100%. E isto também está muito alinhado com o que pretendemos alcançar na Fundação. O que você mais espera pós-COVID?

A ausência de defesa off-line tem sido a mais difícil de lidar até agora. Mal posso esperar para voltar à defesa de direitos off-line, onde você conversa com pessoas reais de base para realmente agirem em prol de seu próprio empoderamento.

Mal posso esperar para voltar ao terreno, interagindo com pessoas reais, fazendo com que exijam as mudanças de que necessitam.

A nível pessoal, o impacto da Covid-19 foi muito devastador em termos de consequências económicas e de insegurança. Mal posso esperar para que as coisas voltem ao caminho da recuperação, capacitação e desenvolvimento.

Obrigado pelo vosso feedback!

Juntar-se à nossa lista

Subscreva a nossa lista de distribuição e receba material interessante e actualizações na sua caixa de correio eletrónico.

Obrigado por subscrever.

Alguma coisa correu mal.

JUNTE-SE AO CÍRCULO TEF

Mantenha-se atualizado sobre os nossos empresários, eventos, investigação e muito mais.

GIVE US FEEDBACK
link próximo

GIVE US FEEDBACK
link próximo

LEARN ABOUT THE TEF IMPACT
link próximo

ACTUALIZAÇÃO DA POLÍTICA DE PRIVACIDADE

Efectuámos alterações à nossa Política de Privacidade para proteger melhor os seus dados pessoais! Reveja e compreenda a nossa política actualizada Política de privacidade

Concordo com a Política de Privacidade actualizada. Compreendo que a utilização dos meus dados pessoais pela Fundação Tony Elumelu será feita de acordo com a Política de Privacidade actualizada.

Enviar isto a um amigo